sexta-feira, 19 de julho de 2013

ArquiPensamentos: Prédio mais alto da América Latina será erguido em Balneário Camboriú SC

Balneário Camboriú, no litoral catarinense, tem uma população fixa de 108 mil habitantes, mas a quantidade de edifícios equivale a de uma cidade com 1,2 milhão de moradores. No Brasil, o município de 46 km² de área é, proporcionalmente, o mais verticalizado do país. Auri Pavone, secretário de planejamento de Balneário Camboriú, justifica que o plano diretor adotado pela prefeitura é que dá essa característica à cidade. “O município não prevê limite de altura para edifícios à beira da praia. A lei não impede execuções de obras, desde que erguidas dentro dos padrões de ocupação limitados em 40% do terreno”, explica. 


É por conta desse ambiente propício para os arranha-céus que Balneário Camboriú prepara-se para receber o prédio mais alto da América Latina. Trata-se do Infinity Coast, um edifício com 240 metros de altura e 66 andares, que irá superar o Titanium La Portada, de Santiago do Chile, com 52 andares e 194 metros - considerado atualmente o mais alto do continente sul-americano.

O mais novo objetivo da FG Engenharia, que deve faturar R$ 210 milhões neste ano e emprega dois mil funcionários, é construir o prédio mais alto do Brasil. Já aprovada pela prefeitura de Balneário Camboriú, conhecido pelo paredão de prédios que cria sombra sobre a sua principal praia durante as tardes, a torre Infinity Coast, de 66 andares, e com quase 240 metros de altura, terá uso misto entre residencial e comercial, com lojas e serviços no térreo. Cada apartamento de alto padrão custará R$ 1,6 milhão. Como os outros prédios da FG, o Infinity tem alguns toques de extravagância.Uma das marcas registradas é o logotipo em destaque no prédio, além de esculturas de dezenas de metros no topo dos edifícios, visíveis a quilômetros de distância. O Infinity terá um obelisco. 

Apesar disso, o projeto demonstra preocupação com a sustentabilidade A obra terá arquitetura moderna inspirada em construções de Dubai, com uso de iluminação natural e esquadrias diferenciadas. Devido à altura do empreendimento, a energia de descida dos quatro elevadores será armazenada e utilizada para iluminação das áreas comuns, as quais possuirão lâmpadas LEDs, além de tomadas para carros elétricos.

Outros itens sustentáveis são: captação de água da chuva para uso em espaços comuns como espaço de lavação de automóveis, coleta seletiva de lixo, óleo de cozinha e recolhimento de pilhas e baterias e ainda conta com energia eólica e solar. O isolamento acústico de todos os apartamentos será de uso de mantas feitas de pneus reciclados, assim como as telhas ecológicas que funcionam como isolantes térmicos e acústicos com maior durabilidade.

Na área de lazer, piscina interna com geradores de aquecimento de baixo consumo pela energia solar. Na área externa piscina panorâmica com espelhos d’água e pontos de hidromassagem. Decks para descanso produzido de material reciclado. E para diversão o campo de mini golfe, muro de escalada e espaço horto com árvores frutíferas.

Além do Infinity, a FG planeja um outro edifício ainda maior, de 80 andares, cujo projeto está em elaboração. Para pesquisar soluções de arquitetura para esses empreendimentos, Jean e os arquitetos da construtora já foram ao Panamá, a diversas cidades chinesas e a Dubai, famosa pela edificação mais alta do planeta, o Burj Dubai, com 828 metros. Os prédios mais altos exigem técnicas de construção diferentes, com fundações mais profundas e uso de concreto mais resistente, em volumes bem maiores. É preciso avaliar o concreto de alto desempenho que será usado, além de submeter o projeto a vários testes, entre eles o de túnel de vento. 

Confira infográfico com os maiores prédios do mundo: Clique aqui 
Fonte: IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário